sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Os 12 Maiores Psicopatas do Cinema

O mundo do cinema está cheio de psicopatas malucos. Cada um com uma história diferente, mas todos têm em comum o fato de serem muito cruéis, perversos e completamente perturbados. A princípio, eles se mostram uma pessoa normal, conseguem enganar todo mundo, mas sempre tem uma hora em que a máscara cai, e eles revelam toda a sua maldade e só pensam em matar. Aí é a hora da perseguição entre assassino e mocinho de tirar o fôlego, que te deixa tenso e agoniado do outro lado da tela, tentando se comunicar via TV, gritando: CORRE! VAI! ISSO!!! Adoro essas cenas, às vezes até torço pro assassino :P Mas enfim, confira essa lista que eu fiz com os 12 melhores (ou piores) psicopatas do cinema, em minha opinião.

12. Irmãos Bo e Vincent (ambos interpretados por Brian Van Holt em A Casa de Cera, 2005)


Um deles, Vincent, é um homem assustador que esconde-se atrás de uma sinistra máscara de cera. Outro, o Bo, é um bonito rapaz, aparentemente normal. Mas ambos têm em comum o fato de serem completamente malucos, psicopatas que capturam e matam pessoas para que depois sejam transformadas em bonecos de cera hiper realistas. Eles vão causar o terror num grupo de jovens que apareceram naquela pequena e misteriosa cidade toda de cera. Adoro a cena em que Bo, armado com uma espingarda, procura a linda e espertíssima Carly naquela sala de cinema (que exibia ilustrosamente O Que Terá Acontecido a Baby Jane?), onde ela se escondia fingindo ser um dos vários espectadores de cera lá presentes. E aquela cena antológica em que Nick, irmão de Carly, está interrogando Bo enquanto Carly está presa embaixo deles, no subsolo, e consegue mesmo assim por o dedo para fora afim de alertar seu irmão, mas Bo finge que se abaixa para amarrar os sapatos e corta a ponta do dedo de Carly e guarda no bolso! Destaque também para aquele início genialmente bem feito do longa, que mostra a infância dos irmãos psicopatas.

11. Early Grayce (Brad Pitt em Kalifornia, 1993)


O casal Brian e Carrie decide viajar até a Califórnia para fotografar lugares onde aconteceram famosos crimes como forma de estudar os assassinos em série e conseguir divulgar um livro a respeito. Sem dinheiro, eles decidem convidar outro casal para dividir as despesas da viagem e acabam conhecendo Adele (Juliette Lewis) e Early Grayce (Brad Pitt). Mas eles descobrirão que estão mais próximos de um serial killer do que gostariam... Não tem coisa melhor do que ver Brad Pitt (meu ator favorito) no papel de um psicopata, ainda mais quando ele interpreta tão perfeitamente o personagem. Early Grace é um assassino que não mede seus atos, é um cara durão, sem frescura, que simplesmente mata quem achar que for preciso. Ao lado de Adele, sua meiga e submissa namorada (este é o meu casal favorito do cinema =P) ele vai conturbar, e muito, a viagem de Brian e Carrie e mostrar a eles o que é um serial killer de verdade. Amo esse filme!

10. Max Cady (Robert De Niro em Cabo do Medo, 1991)


Max Cady é um assassino e estuprador que foi condenado a prisão por culpa de seu advogado de defesa, Sam Bowden, que omitiu provas. Mas depois de passar 14 anos preso, Max volta com tudo para se vingar. Ele aproveitou o tempo livre na prisão para estudar direito e conhecer muito bem as leis. Com isso, ele começa um jogo psicológico e dentro da lei com seu ex-advogado, inclusive seduz sua filha (teria coisa pior para um pai?) e passa a atormentar "legalmente" toda a família, enquanto Sam não pode fazer nada contra ele. Mas o bicho realmente pega quando eles estão isolados no Cabo do Medo, uma espécie de iate da família, onde Max revela sua verdadeira natureza, um psicopata perverso e com sede de vingança, e as coisas ficam realmente feias para a família que se encontra a mercê de um assassino cruel e descontrolado. Grande interpretação de Robert De Niro, que foi indicado ao Oscar pelo papel.

9. Alex Forrest (Glenn Close em Atração Fatal, 1987)


O advogado bem sucedido e casado Dan (Michael Douglas) achou que ia simplesmente passar o sal na personagem de Glenn Close e depois largá-la, mas estava muito enganado. Ele se arrependeu e decidiu cancelar o affair, mas ela não vai esquecê-lo tão facilmente assim. A maluca se revela uma verdadeira psicopata e passa a perseguir e aterrorizar a família do cara, chegando a tomar atitudes extremas por "amor". Em certa cena, ela cozinha o coelho de estimação da filha do ex amante e tenta esfaquear a mulher dele, mas acaba se dando mal depois que ele mesmo a afoga na banheira.

8. Patrick Bateman (Christian Bale em Psicopata Americano, 2000)


Rico, bonito e psicopata, Patrick Bateman pira só de ver que alguém pode mais do que ele. O simples fato de um colega de trabalho ter um cartão de contato mais elaborado do que o dele, já é motivo para virar uma vítima desse playboy narcisista. E como esquecer aquela hilária cena em que ele corre pelado e com uma serra elétrica na mão para matar uma prostituta com a qual ele acabara de transar? A interpretação de Christian Bale merecia ao menos uma indicação ao Oscar. (Vocês perceberam a relação do sobrenome "Bateman" com o personagem que iria marcar a carreira do Bale anos depois, o "Batman"?!)

7. Anton Chigurh (Javier Barden em Onde os Fracos Não Têm Vez, 2007)


Llewelyn Moss (Josh Brolin) encontra uma maleta contendo dois milhões de dólares, só que ele nem imaginava a encrenca em que estava se metendo. Com isso, ele se botou na mira de Anton Chigurh (Javier Barden), um assassino frio, que agora está contando com o auxílio de um rastreador dentro da mala para perseguir incansavelmente o homem que a roubou, matá-lo e recuperar o dinheiro. Calado e sem nunca dar um sorriso, Anton mata tão naturalmente como anda e respira, baseando-se numa moeda para decidir se uma pessoa merece viver ou ser morta. O homem não hesita em meter chumbo em quem for preciso (e até mesmo em quem não for preciso) para encontrar e executar o portador do seu dinheiro. Além daquele seu cabelo esquisito, ele também chama atenção pelas armas que usa: uma espingarda com um silenciador enorme e uma arma de ar comprimido que em certa cena, ele utiliza para abrir um buraco na testa de um homem inocente. Barden ganhou um merecido Oscar de melhor ator coadjuvante pela sua interpretação simplesmente fantástica.

6. Peyton Flanders (Rebecca De Mornay em A Mão Que Balança o Berço, 1992)


Uma mulher traumatizada com o suicidio do esposo e consequentemente a perda de seu filho decidi trabalhar de babá justamente na casa da mulher que fez o seu marido se suicidar (vai ter que ver o filme pra saber o porquê) para ter sua vingança. Ela apresenta-se como uma mulher educada e muito dedicada, a babá perfeita, conseguindo facilmente o emprego, mas é, na verdade, uma psicopata com cara de anjo. Ela começa a se apegar bastante com a pequena filha da patroa e quer ficar com a criança para si. Para isso, ela passa a fazer de tudo para eliminar a mãe da menina. Esconde a bombinha de ar da verdadeira mãe da garota e quase mata a mulher sufocada, antes disso, preparou uma perigosa armadilha na estufa para matar a patroa, e quem não ficou com ódio dela depois do que ela fez com o jardineiro negão? Com essas e outras maldades cometidas sempre de forma indireta e insuspeita, Peyton vai destruindo a vida de toda a família sem ser descoberta. Mas como eu já disse, sempre tem uma hora em que a máscara cai e é quando a maluca pira mesmo e tenta matar todo mundo! A psicótica deixou muitos casais da vida real com o pé atrás na hora de escolher uma babá...

5. Annie Wilkes (Kathy Bates em Louca Obsessão, 1990)


Neste longa, Annie (Kathy Bates), uma conturbada ex-enfermeira com terríveis antecedentes criminais por matar bebês, é uma grande fã de Paul Sheldon (James Caan), um escritor de sucesso. Quando este sofre um acidente de carro durante uma nevasca, ela tem a sorte de encontrá-lo e o leva para casa dela, onde mora sozinha, tratando seu ídolo como um rei. Mas após descobrir que sua personagem favorita, a Misery, morre no último capítulo do livro que protagoniza, Annie fica muito decepcionada e aprisiona Paul em sua casa, exigindo que o escritor reescreva e altere a história. Para isso, ela o tortura e, inclusive, quebra os seus tornozelos com um machado para evitar que ele fuja, revelando-se uma mulher completamente perturbada. Kathy Bates ganhou um Oscar por sua interpretação fantástica desta fã psicótica, neste filme excepcional.

4. Esther (Isabelle Fuhrman em A Órfã, 2009)


Esther é uma órfã russa e a família que a adotou morreu em um incêndio. Mas agora, um casal traumatizado com a perda de um filho, mesmo tendo outros dois biológicos, decidem adotá-la. Eles nem imaginavam o quanto iriam se arrepender disto. De Jaume Collet-Serra, o mesmo diretor de A Casa de Cera que mais uma vez optou por uma história de assassino bem original, este filme é perfeito e Esther é a cereja do bolo. Muito bem interpretada pela ainda inexperiente Isabelle Fuhrman, ela consegue enganar a todos com aquela sua carinha de menina meiga e inocente, mas vai fazer da vida daquela família um inferno. As maldades que essa garota faz no filme são incomparáveis. Sínica, ela manipula e consegue jogar uma pessoa contra a outra só para conseguir o que quer, além disso, a sonsa arma cada uma pros seus irmãos e ainda se faz de coitadinha para o pai. Eu amo a Esther, ela é tão perturbada e louca, tem uma história incrível e a cena dela com a maquiagem toda borrada enquanto descobrimos o seu misterioso segredo, para mim, foi memorável, assim como aquela cena no hospital, em que ela leva um merecido tapa de sua mãe, a única que desconfiava dela e a empolgante briga que acontece entre ambas no final.

3. Jack Torrance (Jack Nicholson em O Iluminado, 1980)


Jack Nicholson interpreta Jack Torrance, um homem que, após entrar no quarto assombrado de um hotel, começa a enlouquecer e querer matar sua esposa e filho. Nicholson criou o maior psicopata do cinema com sua interpretação no mínimo espetacular de Jack Torrance. Em uma de minhas cenas favoritas, ele persegue loucamente sua mulher, com aquela cara de doido (que o Nicholson naturalmente já tem, por isso o papel lhe caiu como uma luva) e com um machado na mão, ao som de uma trilha sonora perturbadora - mas fantástica - e os gritos estridentes da esposa, que, desesperada, se tranca no banheiro junto com o filho. Jack diz, na maior cara de pau, que vai “assoprar” se os porquinhos não o deixarem entrar, e então, ele dá uma machadada na porta, e no buraco que fez, põe o seu rosto insano e diz: “Here’s Jonnhy”, nesta clássica cena que é inclusive a capa do filme. O próprio Jack Nicholson afirmou que nunca mais conseguiu livrar-se dos trejeitos do personagem depois de sua intensa atuação.

2. Hannibal Lecter (Anthony Hopking em O Silêncio dos Inocentes, 1991)


Culto e refinado; psicopata e canibal, o doutor em psicologia Hannibal Lecter é de causar calafrios! Ele faz movimentos pertubadores com os dedos e sons estranhos com a boca, sem falar naquele seu olhar penetrante que deixa qualquer pessoa intimidada. A mistura de elegância e inteligência associado ao seu hábito de comer carne humana, faz de Hannibal Lecter um dos maiores psicopatas do cinema e, claro, a soberba interpretação de Hopkins, que ganhou Oscar pelo papel, também contribuiu muito para isso. A cena em que Hannibal escapa de sua prisão é memorável! Além de tudo, o seu passado, explicado no filme Hannibal - A Origem do Mal, também é muito interessante e trágico. Ainda criança, ele perdeu ambos os pais na 2ª Guerra Mundial e os soldados nazistas, num acesso de fome devido ao intenso inverno, comeram sua irmazinha, o que despertou dentro de Hannibal este incomum gosto gastronômico, o que fez com que ele tivesse que usar esta icônica máscara. Anthony Hopkins deixou sua marca na história do cinema com este personagem inesquecível!

1. Norman Bates (Anthony Perkins em Psicose, 1960)


O primeiro colocado não poderia deixar de ser o tímido, adorável e totalmente insano Norman Bates. Ele é o primeiro grande serial killer da história do cinema, é o responsável pela cena de assassinato mais famosa da sétima arte - aquela em que ele esfaqueia uma mulher no chuveiro - guardava o cadáver de sua mãe em casa enquanto fingia ser a própria, vestindo suas roupas, imitando sua voz e matando em seu nome qualquer moça que aparecesse naquele seu isolado e remoto hotel. Inspirado no "serial killer" real Ed Gein, o mestre Hithcock trouxe ao cinema pela primeira vez a figura de um psicopata, abrindo portas para todos os outros filmes desta lista. Um clássico na melhor definição da palavra.

~ Menções Honrosas ~


Jason, Freddy Krueger, Mike Mayers, Leatherface, Ghostface, Chuck, Pinhead e cia. Estes serial killers são a pura personificação da morte e do medo. Com um facão, garra, motosserra ou sei lá o quê, eles dilaceram facilmente suas vítimas, que geralmente são adolescentes que acabaram de transar, fazendo muitas cabeças voarem e muito sangue jorrar. Mesmo eles sendo clássicos e muito populares, não tem como eles competirem com esses mestres da lista, né?

Sintam-se livres para dizer nos comentários se vocês acham que faltou alguém na lista e qual o seu psicopata favorito do cinema, vou adorar saber! 

Curta: "Haunt"

Este é um curta de animação feito em stop motion criado por Glenn Zimmatore, baseado em um pesadelo de infância do seu irmão mais novo. O curta é simples, mas bem assustador. Assista em tela cheia, no escuro e com o fone no último volume!!!



Eu adorei!

domingo, 5 de agosto de 2012

Os Vilões de Batman


E aí, pessoal, fim de férias, né?? Pois é, só de pensar já bate aquela deprê... Mas vamos falar de coisa boa! "Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge" continua em cartaz, agradando muito a todos aqueles que esperaram tão ansiosamente para assisti-lo. Cristopher Nolan, que se mostra um dos grandes cineastas atuais, nos presenteou com mais um filme sensacional, muito foda mesmo, que encerra perfeitamente a trilogia épica do homem morcego. Você até para de pensar que um atirador vai entrar na sala e atirar contra todo mundo, de tão bom que o filme é, rs.

Mas é importante saber um pouco dos quadrinhos pra compreender melhor o filme. É bom conhecer um pouco da história de Bane e principalmente de Ha's Al Ghul e sua filha, pra você ficar mais por dentro do que acontece no longa.

Mas não se precocupe, porque o Monte Olimpo quebrará o seu galho! Neste post, vamos conhecer não só a história de Bane e Ra's Al Ghul, que é essencial para a melhor apreciação e entendimento do longa, mas sim de todos os principais arquinimigos do Batman, afinal, o cavaleiro das trevas tem a galeria de vilões mais legais e interessantes do universo das histórias em quadrinhos e vale a pena ficar sabendo um pouco mais sobre o "begins" de cada um. Quem nunca quis conhecer o passado do Coringa, por exemplo, e descobrir porque ele se tornou tão insano? Bom, descubra agora. Boa leitura!

Coringa (Primeira aparição: Batman 1, 1940)


A versão mais aceita de sua origem até hoje é aquela estabelecida por Alan Moore na clássica "Batman: a piada mortal", que mostra o futuro Coringa (The Joker) como um homem casado e, dentro do possível, até mesmo feliz. Assistente de laboratório da Indústria Química ACE, que fabricava cartas de baralho, em Gotham, ele deixa seu emprego no intuito de seguir o sonho de se tornar um grande comediante. Mas se arrepende armagamente pois logo percebe que ninguém ria de suas piadas e ele não tinha futuro na carreira de humorista. Pra piorar, a sua esposa engravida e ele, desempregado e com sérios problemas financeiros, decidi se envolver com um grupo de ladrões para roubar a fábrica química na qual trabalhava. Assumiu nesse dia o disfarce de um criminoso conhecido como Capuz Vermelho. As coisas começam a dar errado quando, no dia planejado para o assalto, sua esposa morre eletrocutada em um acidente doméstico. Sem motivos para seguir seu plano, o futuro Coringa pensa em desistir, mas acaba sendo obrigado por seus capangas a continuar o plano, mas então surgem Batman e Robim. Os dois criminosos são capturados enquanto que o homem que se passava pelo Capuz Vermelho acaba entrando em pânico ante a presença do Cavaleiro das Trevas e cai em um tonel de lixo tóxico proveniente do material de tintura das cartas. Ele foi dado como morto mas 10 anos depois ressurge com a pele branca, cabelos verdes e os músculos de seu rosto haviam se contraído severamente, deixando-o com um indelével sorriso, de aparência histérica. O choque dessa metamorfose inesperada, aliado aos problemas que já vivia, foi maior do que a sua mente já terrivelmente atormentada poderia suportar, resultando no nascimento do Coringa. Mas na própria revista há um momento em que há confusão. Próximo do fim, na discussão sobre origens, o Coringa diz que ele próprio se confunde com o que ocorreu. "Não sei ao certo o que aconteceu. Às vezes me lembro de algumas coisas, às vezes não me lembro de nada... Se é para ter um passado, prefiro que seja um passado com múltiplas escolhas!"

Outra versão fala de Joseph Kerr, como o futuro Coringa. Seu pai, em um momento de raiva, ao ver Joseph chorar, perguntou porque ele estava tão serio ("Why so serious?"), e logo depois cortou a boca de seu próprio filho, deixando-o com uma cicatriz no lado esquerdo do rosto. As crianças com quem estudava o consideravam estranho. Ele arrumou briga com um colega de escola e fez o garoto ir para o hospital e levar 12 pontos na cabeça. Após ter sido expulso de várias escolas, desistiu dos estudos. Seu pai o considerava louco e desconsiderava ele como filho. Um dia, já atingida sua adolescência, ele fugiu de casa e incendiou a casa com seus pais dentro. Enquanto olhava a casa queimar cortou a outra parte de sua boca formando um sorriso completo em seu rosto. Não se sabe o que fez em seguida: acredita-se que virou ladrão de joalherias e assumiu o nome de Jack Napier até se transformar no Coringa.

A insanidade do "Palhaço do Crime" quase levou Batman à loucura em mais de uma vez. Uma delas foi quando o criminoso aleijou a filha adotiva do comissário Gordon, Bárbara Gordon (a Batgirl, que na cadeira de rodas virou a Oráculo), e tentou enlouquecer o policial mostrando-o diversas fotos da tragédia. Outra foi quando espancou e assassinou o segundo Robin, Jason Todd. O Coringa fora criado a partir de uma foto de Conrad Veidt no filme "The Man Who Laughs" (1928).

Arlequina (Primeira aparição: Batman: A Série Animada, 1992)


Harleen Quinzel destacou-se durante o período escolar como uma ágil ginasta, o que lhe permitiu obter uma bolsa de estudos para estudar Psiquiatria na Universidade de Arkham (para onde iam todos os vilões psicóticos capturados por Batman). Para conseguir boas notas, usou por diversas vezes de artifícios censuráveis, como seduzir os professores.

Depois de concluir a faculdade, começou a trabalhar como psiquiatra no Asilo Arkham, onde conheceu Coringa, seu paciente, pelo qual Quinzel apaixona-se profundamente. As autoridades suspeitaram que ela tenha sido a responsável por ajudar o Coringa a escapar por diversas vezes do asilo e, por isso, a aprisionaram. Durante um terremoto em Gotham City, Quinzel escapa da prisão e transforma-se em Arlequina (alcunha baseada no arlequim que foi proposta pelo Coringa como um trocadilho ao seu nome original). Ela torna-se uma fiel parceira de Coringa no crime. Contudo, o criminoso logo se cansou de suas afeições e tentou se livrar dela prendendo-a dentro de um foguete que caiu nos arredores de Robinson Park. Ela foi resgatada pela Hera Venenosa, mas depois de um tempo Arlequina acabou se reconciliando com seu amado e espera um dia levá-lo ao altar.. se o Coringa não matá-la primeiro.

Pinguin (Detective Comics 58, 1941)


Oswald Chesterfield Cobblepot teve uma infância miserável. Ainda era jovem quando seu pai faleceu vítima de broncopneumonia. Atribuindo isso ao fato de seu marido ter saído na chuva sem um guarda-chuva, a Sra. Cobblepot passou a insistir que o filho sempre saísse de casa carregando um, independente do clima. Isso, aliado ao excesso de peso do menino fizeram com que ele se tornasse o alvo preferido das gozações de outros garotos, especialmente de um valentão apelidado "Cação", que lhe deu a alcunha pelo qual seria conhecido no futuro: Pingüim. Amargurado, o jovem Oswald, certo dia conseguiu se vingar de Cação, espancando-o selvagemente. Em represália, Cação destruiu a loja de aves da Sra. Cobblepot, matando os pássaros que Oswald considerava seus únicos amigos no mundo.

Anos mais tarde, graças à ajuda de uma tia, Oswald ingressou na faculdade, formando-se em ornitologia, a ciência que estuda os pássaros. Apesar da vida razoável que levava, Oswald carregava consigo muita raiva acumulada desde a infância e, quando isso explodiu, passou a usar seus conhecimentos em ornitologia para cometer crimes, adotando o infame apelido que recebera na infância. Para tal, passou a usar os pássaros e uma série de guarda-chuvas adaptados que podem ser convertidos em metralhadoras, lança-chamas, lançar gás, ácido e trazer uma série de outros recursos.

Mulher Gato (Primeira aparição: Batman 1, 1940)


Depois do suicídio de sua mãe e do falecimento de seu pai, a jovem Selina Kyle foi mandada para o orfanato Seagate. Independente demais para aceitar as regras do lugar, Selina foi por várias vezes punida pela diretora do local. Ao conseguir secretamente um código que desativava os alarmes do local, ela passou a visitar os telhados do orfanato todas as noites.

Certa vez, depois de ser mandada para a solitária, Selina descobriu que a diretora do Seagate desviava parte dos recursos destinados à instituição (uma fundação filantrópica) para seu próprio bolso. Selina decidiu então usar essa informação para chantagear a mulher e acabou enfiada dentro de um saco e jogada de um precipício em um rio, para que morresse afogada. Mas a futura Mulher-Gato conseguiu escapar viva e, livre, passou a roubar para sobreviver. Mais tarde, se tornou uma prostituta na zona boêmia de Gotham City. Nessa época, Batman começou a fazer suas primeiras aparições na cidade e seus atos inspiraram Selina. Ela confeccionou um uniforme e valendo-se das habilidades adquiridas em seus anos de vida bandida, se tornou uma ladra profissional. Surgia assim a Mulher-Gato.

Apesar de ter sido introduzida originalmente para ser mais um dos inimigos combatidos pelo Homem-Morcego, seu status como vilã é um tanto ambíguo. Selina segue seu próprio código moral (ela nunca mata) e ocasionalmente se une ao Batman para combater uma ameaça em comum. Ou para pedir ajuda. Isso forjou um estranho laço de amor bandido e tensão sexual entre ambos.

Bane (Primeira aparição: Batman: Vengeance of Bane 1, 1993)


Apesar de ser um vilão de segundo escalão e praticamente criado sob encomenda, Bane conseguiu o que nenhum dos inimigos do Batman havia conseguido até então: subjugar e derrotar o herói.

Bane nasceu condenado à prisão perpétua, por causa dos crimes cometidos por seu pai, o Rei Cobra. Aos oito anos de idade, cometeu seu primeiro assassinato, matando um criminoso que queria usá-lo como moeda de troca de informações na prisão. Sua única companhia era seu ursinho de pelúcia chamado Osito. O urso possuía um buraco em suas costas, no qual Bane escondia uma faca para usá-la contra qualquer um que tentasse ameaçá-lo.

 Mesmo aprisionado, Bane não deixou de aperfeiçoar suas habilidades naturais: dedicou-se à leitura de diversos livros, modelou seu corpo no ginásio da prisão e aprendeu a lutar para poder se defender de outros prisioneiros. Tornou-se lenda quando passou dez anos na solitária e saiu de lá (mais ou menos) são. Em certa ocasião, Bane desentendeu-se com outro prisioneiro e acabou sofrendo um acidente, que o deixou em estado de coma. Teve visões do seu futuro e descobriu que o medo de um morcego poderia impedi-lo de conseguir seus objetivos. Tornou-se obcecado pela leitura sobre Gotham City e seu guardião, conhecido como Batman, o Homem Morcego.

Inevitavelmente, sua resistência acabou chamando a atenção dos administradores do presídio, que o forçaram a tornar-se cobaia em experimentos com uma misteriosa droga viciante, conhecida como Veneno, a qual havia matado todas as cobaias anteriores. Bane sobrevive e tem sua força consideravelmente aumentada. Porém, necessita tomar o Veneno a cada 12 horas (através de um sistema de tubos que bombeiam a droga diretamente para o cérebro), sob pena da reação adversa de enfraquecê-lo ao extremo.

Apesar de ter sobrevivido ao Veneno, Bane fingiu-se de morto para poder escapar, já que a maioria dos mortos do presídio eram jogados no precipício. Lançado ao mar, livrou-se dos acessórios que o prendiam e rumou para Gotham City, com a intenção de destruir o morcego demoníaco que o atormentava em suas visões. Ele estava convencido de que o morcego em questão era Batman.

Advertido de que um confronto direto com Batman seria loucura, Bane usa sua força para derrubar as paredes do Asilo Arkham e libertar os mais perigosos criminosos da cidade, entre os quais estão Coringa, Espantalho, Chapeleiro Louco, Ventríloquo, Vagalume, Grande Tubarão Branco e Zsasz. A fuga em massa do manicômio sobrecarregou Batman, levando-o à exaustão, após três meses sem descanso de recaptura dos fugitivos.

Momento clássico das HQs, em que Bane quebra a coluna de Batman.

Ao retornar à Mansão Wayne, após cumprir sua missão, Batman encontra Bane esperando-o. Ao confrontar o Homem-Morcego na Batcaverna, Bane o deixa paralítico, ao quebrar-lhe a coluna. Sem poder mover as pernas, Bruce Wayne então deixa o posto de Batman, transferindo-o para Jean-Paul Valley (também conhecido como Azrael). Utilizando um sofisticado traje de combate, ao invés do tradicional uniforme de Batman, Jean-Paul derrota Bane, danificando os tubos que lançam o Veneno na corrente sanguínea de Bane e causando-lhe uma severa síndrome de abstinência. Após ser derrotado, Bane é enviado para a Prisão Blackgate.

Hera Venenosa (Primeira aparição: Batman 181, 1966)


A Dra. Pamela Lillian Isley era uma estudante de botânica apaixonada por seu professor, Jason Woodrue (também conhecido como o Homem Florônico), ela fazia tudo por seu amado e não hesitou até mesmo em se tornar sua cúmplice durante um assalto ao banco que ele idealizou. No entanto, depois de ter a ajuda que precisava, Jason envenenou Hera injetando-lhe toxinas de plantas venenosas.Mas em vez de morrer, ela desenvolveu imunidade a todos os tipos de venenos e também a capacidade de controlar plantas e acelerar ou desacelerar o crescimento das mesmas. Pamela ainda ganhou um toque mortal. Basta um beijo seu e qualquer pessoa fica sob seu comando. Um pouco mais de contato e a pessoa cai dura a seus pés. De Pamela Lillian Isley ela passou a se chamar Hera Venenosa – nome de uma planta peçonhenta.  Na sua carreira de criminosa usou plantas venenosas como arma mas logo passou a criar verdadeiros monstros vegetais e utilizou poderes como seus lábios venenosos. Uma inimiga perigosa, a motivação para seus crimes geralmente envolve seu desgosto com a forma como o ser humano trata o meio-ambiente, especialmente a flora do planeta.

Depois de salvá-la de uma das loucuras do Coringa, Hera virou amiga de Alerquina, a qual já se aliou muitas vezes em seus crimes e planos macabros. Ela provavelmente fez isso por ter se identificado com o fato de Alerquina também ser traída por um homem que amava. No entanto, Hera venenosa sente inveja da Mulher-Gato e um ódio profundo pela mesma, pois Hera também gostava e odiava o Batman, e a mulher-gato era uma barreira na sua relação com o homem morcego.

Duas Caras (Primeira aparição: Detective Comics 66, 1941)


Harvey Dent era um promissor promotor de Gotham City que forjou uma aliança com o então tenente (e mais tarde, capitão e finalmente, comissário) da polícia James Gordon e o Batman para limpar as ruas da cidade. Durante o julgamento do chefão do crime Moroni, o acusado jogou ácido no rosto de Harvey, desfigurando seu lado esquerdo e causando danos a sua mente. Dent enlouqueceu e assumiu o nome Duas-Caras.

Obcecado com a dualidade e os opostos, ele possui uma moeda de prata, com uma das faces riscada, que usa para tomar qualquer decisão relativa aos seus crimes. Geralmente antes de cometer um assassinato ele joga a moeda pra cima: se cair a face intacta, ele desiste; se cair a riscada, ele mata a tiros. Bob Kane inspirou-se em um anúncio do filme de Spencer Tracy, Dr. Jekyll and Mr. Hyde e concebeu a ideia de um vilão com dupla personalidade.

Charada (Primeira aparição: Detective Comics 140, 1948)


Edward Nashton era menino, quando um de seus professores fez uma competição para ver qual dos estudantes poderia montar mais rápido um determinado quebra-cabeças. Naquela noite, Eddie fotografou secretamente o quebra-cabeça montado que encontrou na escrivaninha do professor. No dia seguinte, o garoto venceu o concurso facilmente. Anos depois, já adulto, Nashton alimentou seu amor por quebra-cabeças. Desejando ganhar muito dinheiro, decidiu tornar-se um ladrão em grande escala e competir suas habilidades com a polícia e Batman. Mudando seu nome para Edward Nigma - "E. Nigma"-, Nashton vestiu uma fantasia verde cheia de sinais de interrogação e tornou-se o Charada, um fora-da-lei astuto que sempre deixava pistas de seus futuros crimes na forma de charadas e quebra-cabeças para artomentar a polícia e o Batman.

Sr. Frio (Primeira aparição: Batman 121, 1959)


Quando criança, Victor Fries divertia-se congelando animais. Horrorizados com o seu "hobby", seus parentes o enviaram para um rigoroso colégio interno, onde tornou-se infeliz, sem o menor sentimento pela humanidade. Mas foi lá que ele conheceu Nora, por quem se apaixonou e a qual seria sua futura esposa.

Algum tempo depois de casados, infelizmente, Nora contraiu uma doença fatal. Para conseguir o dinheiro necessário para ajudar a esposa, Victor arrumou um emprego em uma grande empresa, trabalhando com criogenia. Assim, ele descobriu uma maneira de congelar Nora, de forma a impedir o avanço da doença, preservando sua vida até que uma cura fosse encontrada.

Mas quando seu patrão, Ferris Boyle, descobriu o que Victor estava fazendo, decidiu parar o experimento e descongelar Nora. No conflito que se seguiu entre ambos, Victor foi atirado em uma mesa cheia de produtos usados na empresa. A reação deles com Victor teve um efeito inesperado, fazendo com que sua temperatura corporal caísse tanto que ele só poderia sobreviver em temperaturas abaixo de zero. Como resultado, Victor teve que desenvolver um traje refrigerado que mantivesse sua temperatura corporal nesses níveis. Para se vingar de Boyle, criou também uma pistola que congela seus alvos. Surgia assim o Sr. Frio.

O Espantalho (Primeira aparição: World´s Finest Comics 3, 1941)


Jonathan Crane era um professor especializado em Psicologia do Medo e lecionava numa faculdade de Gothan. Certa vez, ele disparou um tiro contra um vaso de flores, no intuito de se fazer ouvido pelo corpo docente da instituição. O incidente fez com que ele fosse demitido. Despedido, ele se tornou então o Espantalho, símbolo do medo, e escondendo-se detrás de uma máscara assustadora  e munido de um gás que desperta o medo mais profundo da pessoa que o inala, ele foi até a faculdade que antes trabalhava e assassinou todos os alunos que zombavam dele e os responsáveis pela sua demissão.

Ra's Al Ghul (Primeira aparição: Batman 232, 1971)


Ra's Al Ghul, o "Cabeça do Demônio", como é também conhecido, nasceu entre o século XV e XVI. Ele é imortal devido ao Poço de Lázaro, uma espécie de "fonte da juventude", que retarda o envelhecimento, cura ferimentos e doenças e pode até mesmo ressuscitar a pessoa que mergulha em suas águas.  Graças ao Poço de Lázaro, Ras Al Ghul sobreviveu por séculos acumulando riqueza, conhecimento e poder. Batman, entre outros, acredita que a imersão contínua nas águas do poço pode causar loucura e provavelmente ele está certo, afinal, quem ouve a proposta de Ra´s só pode encará-la como loucura. Líder enigmático de uma organização criminosa internacional, a Liga das Sombras, Ra's não se vê como um vilão, mas como o salvador da humanidade. Inconformado com as injustiças e problemas que observou afligirem a humanidade, concluiu que, para que esta alcançasse a paz, prosperidade e justiça, seria necessário que o tamanho da população fosse pequeno e controlado e que, ela toda, fosse guiada por um líder supremo (no caso, ele mesmo) que, tendo poder de vida e morte sobre todos, guiaria o homem de forma sustentável com a natureza, sem destruí-la. Como Ra's considera fundamental que a população seja de um tamanho controlável, e que isso deve ser atingido imediatamente, antes que a super população acabe com os recursos naturais do planeta, ele já tentou mais de uma vez aniquilar a maior parte da população humana viva, para reduzi-la a um tamanho aceitável, por meio de ameaças biológicas e disseminação de pragas criadas em laboratório, poupando somente aqueles que considera dignos de seu novo mundo. Mas seus planos eram sempre frustrados por Batman.

O próprio Batman, por muito tempo, foi considerado por Al Ghul uma dessas pessoas dignas de sobreviver, em grande parte por suas incríveis habilidades, mas também pelo amor que Talia, filha do personagem, tinha pelo "Detetive", modo como Ra's se referia ao cavaleiro das trevas. Ra´s propôs inúmeras vezes que Batman casasse com Talia e lhe desse um herdeiro. Na clássica história "O filho do demônio", Ras obteve sucesso em conseguir o auxílio de Batman para derrotar o assassino que havia tirado a vida de sua esposa. Nessa história, Batman se casa com Tália, que engravida do herói. Depois de ver seu amado quase perder a vida em sua defesa, Tália percebe que não poderia manter Batman ao seu lado. Alegando que havia sofrido um aborto natural, dissolve o casamento de ambos. Quando deu à luz ao bebê, Tália a entrega a um orfanato, sem nenhuma identificação que o ligasse aos pais, exceto um colar que antes pertencera à sua mãe. O bebê era Damian Wayne, que renegou ao avô e seus ideais e se entregou à causa do pai vigilante, tornando-se o mais jovem Robin de todos já existentes, estreando com apenas oito anos de idade.

Em outra história, intitulada "A morte e as donzelas", foi revelado que Ras teve uma outra filha, Nyssa. Ela se tornou seu braço direito, acompanhando-o em suas empreitadas. A admiração de Ra's pela filha foi tão grande que ele inclusive permitiu que ela desfrutasse do Poço de Lázaro aumentando sua expectativa de vida de maneira substancial. Mas assim como aconteceria com Tália no futuro, Nyssa eventualmente ficou insatisfeita com os planos e métodos de Ras e separou-se dele. Ras concordou com isso, desde que os filhos de Nyssa se tornassem seus herdeiros, mas ela recusou-se a isso e Ras a deserdou. Durante a Segunda Guerra Mundial, Nyssa e sua família foram enviadas para campos de concentração. Amargurada e aterrorizada pelo que presenciou e pelo fato de Ra's ter deixado-a desamparada para morrer nas mãos dos nazistas, ela traçou um plano de vingança. Usaria seus recursos para sequestrar e fazer uma lavagem cerebral em Tália, com o intuito de usá-la para assassinar Ra's. Além disso, iria matar o Super-Homem usando balas de kriptonita roubadas da Batcaverna. Batman conseguiu impedir o assassinato do Super-Homem, mas não o de Ra's. Um pouco mais tarde, seria revelado que tudo isso não passava de um ardil do próprio Ra's, que queria garantir seu legado, mostrando a suas filhas a validade de suas ideias e métodos. Apesar de morto, Ras conseguiu esse objetivo, já que hoje Tália e Nyssa resolveram comandar a "Liga das Sombras" e pretendem continuar o legado do pai. Tália, inclusive, renegou o amor que sentia por Bruce Wayne e hoje considera o Batman o seu maior inimigo.

 Zsasz (Primeira aparição: Shadow of the Bat 1, 1992)


Zsasz é um vilão bem secundário, mas como ele aparece rapidamente em algumas cenas de Batman Begins (veja) é bom deixar registrado aqui a sua maluquice. Zsasz é um serial killer que tem o estranho hábito de contar seu número de vítimas fazendo cortes em sua pele. Cada cicatriz representa uma das pessoas que matou. Mas antes de se tornar o que se tornou, Victor Zsasz era o chefe da sua própria empresa internacional e tinha acumulado uma grande fortuna pessoal, além da riqueza de sua família. Na idade de 25 anos seus pais morreram em um acidente de barco, e Zsasz ficou em uma profunda depressão. Virou-se para o jogo, perdendo dinheiro em competições ao redor do mundo. Uma noite, ele acabou indo parar num casino de Gotham City, onde ele jogou tudo o que possuía e acabou perdendo tudo para o Pinguim. Depois ele viu que sua vida era vazia e não havia nenhum motivo para continuar vivo. Enquanto ele estava tentando se suicidar saltando de uma ponte de Gotham, um homem sem-teto tentou assaltá-lo com uma faca depois que ele se recusou a lhe dar dinheiro. Instintivamente Zsasz segurou a faca, e viu nos olhos do homem que a vida é sem sentido e que nada importa, nem ninguém. Ele então esfaqueou o homem até a morte como um "presente" para salvar sua vida. A partir de então, dedicou-se a "libertar" os outros de sua existência inútil (Zsasz muitas vezes refere-se às suas vítimas como "zumbis"). Ele foi diagnosticado como louco e é regularmente encarcerado em Arkham Asylum por Batman, conseguindo fugir de vez em quando para cometer mais alguns homicídios.


Fonte : Wikipédia e Omelete