quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Eco e Narciso


Eco era uma bela ninfa, porém, muito tagarela. Zeus pediu-lhe então que distraisse Hera enquanto andasse nas suas aventuras extraconjugais. Eco assim fez. Ao descobrir tudo, Hera sentindo-se traída e humilhada, condena Eco desta forma: não poderia mais dizer suas próprias palavras, ia sempre repetir as dos outros.

Um dia, Eco vê Narciso e apaixona-se ardentemente por ele. Este era o filho do rio Céfiso e da ninfa Liríope. Dono de uma beleza indescrítivel e incomparável, todas as mulheres e homens se apaixonavam por ele, mas Narciso era muito orgulhoso e insensível ao amor, pois achava que ninguém era digno de sua beleza, que ele mesmo comparava a dos deuses Apolo e Dionísio. Por isso desprezava a todos os seus pretendentes com uma incrível frieza pois, para ele, ninguém estava a sua altura.

Eco foi mais uma vítima de seu desdém e ficou tomada por uma imensa tristeza. Não queria mais comer nem beber e passou a viver nas cavernas e entre os rochedos das montanhas. Acabou por definhar, até que as carnes desapareceram inteiramente. Os ossos transformaram-se em rochedos e Eco reduziu-se apenas a uma voz, sempre repetindo a palavra final de todos que a chamasse.

Tristes, suas amigas ninfas pedem aos deuses que castiguem Narciso, que ele sinta a dor de não ter o amor correspondido e são atendidas por Nemesis, a deusa da vingança, que condena Narciso a apaixonar-se pelo seu próprio reflexo na lagoa de Eco para fazer ele se arrepender de ser tão egoísta e de se vangloriar tanto da própria aparência.

Certo dia, Narciso, cansado de uma caçada, inclina-se para beber água num riacho. Ao pôr os olhos em sua imagem refletida na água, ele apaixona-se por si mesmo e fica tão extasiado que tenta agarrar seu próprio reflexo. Porém, a imagem desvanece-se e Narciso cai no lago e morre afogado. Em outra versão, Narciso, desesperado, deixa-se ficar perto da margem sem comer e sem dormir durante dias, em vãs tentativas de satisfazer o amor de si mesmo, até que, assim como Eco, ele definhou. O que se sabe é que no local de sua morte, nasceu uma flor que tem agora o nome de Narciso.

1 comentário:

  1. Oi Gabriel!
    Sem problemas pelo sumiço..estmaos numa época que parece que todo mundo está num corre corre danado!

    Simplesmente ADORO as histórias da mitologia..são fascinantes e deveras humanas....Narciso é um conto sensacional o ápice do egoísmo de uma pessoa que ama apenas á si.
    bjs

    ResponderEliminar

O comentário de vocês é muito importante para o blog, mas por favor evitem escrever muitas palavras abreviadas e cheias de erro, de forma a tornar o texto praticamente ilegível, caso contrário, os comentários serão eliminados. E o façam de preferência de forma não anônima. Obrigado pela compreensão e opinião de vocês. Voltem (e comentem) sempre!